MP realiza operação no Pará e em mais cinco estados por desvio de mais de R$1 bilhão da saúde pública

0
82

MP realiza operação no Pará e em mais cinco estados por desvio de mais de R$1 bilhão da saúde pública - Crédito: Reprodução/Conamp

O Pará está entre os cinco estados investigados na  Operação do Ministério Público e o Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul realizado na manhã desta quinta-feira (6). A organização criminosa, alvo da investigação, teria deviado milhões de reais da saúde de Canoas, Região Metropolitana de Porto Alegre. Até às 8h, três pessoas haviam sido presas, entre elas está o mentor do esquema e diretores do Grupo de Apoio à Medicina Preventiva e à Saúde Pública (Gamp). Marcelo Bósio, ex-secretário de sáude de Canoas, foi preso em São Paulo.

Estão sendo cumpridos quatro mandados de prisão preventiva e 70 mandados de busca e apreensão nos seguintes estados: : RS, SC, SP, RJ e no PA. no RS, em Canoas (incluindo a Prefeitura e as sedes do Gamp), Porto Alegre, Gravataí e São Francisco de Paula. Em Santa Catarina, no Balneário Camboriú. Em São Paulo, os mandados são cumpridos na capital, em Cotia, Itatiba, São José dos Campos, Caieiras, Santa Isabel e Santo André. No Rio de Janeiro, os mandados são cumpridos na capital e, no Pará, nas cidades de Belém e Altamira.

Segundo o Ministério Público, os investigados receberiam mais de R$ 1 bilhão durante os cinco anos de contrato assinados pela Prefeitura Municipal de Canoas e o Gamp.

A secretária de saúde de Canoas, Rosa Maria Groenwald, e o secretário-adjunto da pasta, Marcos Ferreira, foram afastados das funções por 120 dias. O Gamp e outras 15 empresas tiveram decretada a suspensão da contratação com o poder público.

Foram detectados, entre as inúmeras irregularidades, o superfaturamento de medicamentos em até 17.000%, a utilização de laranjas e testas de ferro do chefe do esquema na direção do Gamp, a cooptação de agentes públicos, o desvio de dinheiro da saúde pública para os envolvidos na fraude, além do pagamento de viagens de férias pagas com dinheiro público da saúde de Canoas.

Fonte: Roma News