Paysandu leva vantagem em confrontos com Atlético-GO em Belém

0
218
Dos quatro jogos disputados entre Paysandu e Atlético-GO, na capital paraense, duas vitórias foram bicolores e os outros dois foram empates (Foto: Fernando Torres/PSC)

Precisando vencer e ainda torcer com uma composição de resultados dos concorrentes para se manter na Série B do Brasileiro em 2019, o Paysandu tem a seu favor, além do fator campo e torcida, o fato de nunca ter perdido para o Atlético-GO, jogando em Belém. O confronto do próximo sábado (20), na Curuzu, valendo pela rodada final do campeonato, será o quinto entre as equipes na capital paraense. O retrospecto das partidas registra duas vitórias dos bicolores e dois empates. Em sua última apresentação, o Papão empatou, sem gols, em 2016, também pela Série B e no mesmo local.

Curiosamente, na época, o Paysandu vinha de três vitórias seguidas no campeonato (Avaí-SC, Vasco-RJ e Joinville-SC), como acontece agora. O Papão era dirigido, na época, por Gilmar Dal Pozzo. A partida registrou um público pagante de 7.246 torcedores, com um total de 8.870 pessoas no estádio. Mas, o que dá pra rir dá pra chorar. O histórico geral do encontro entre Paysandu e Atlético é favorável ao time goiano, que conta com quatro vitórias contra duas da equipe bicolor. Os outros dois jogos, como já informado, terminaram com empates.

A última vitória alviazul sobre o Dragão, como é apelidado o Atlético, ocorreu no dia 30 de junho de 2015, quando passou por cima do adversário com gols de Leandro Cearense e Yago Pikachu. A partida também foi pela Série B daquela temporada. No jogo de sábado, os bicolores não podem sonhar sequer com empate, o que decretaria a queda do time à Série C de 2019. Além de vencer, o técnico João Brigatti, seu time, dirigentes e, principalmente, a Fiel vão ter de torcer por tropeços dos concorrentes, sobretudo Criciúma-SC e Oeste-SP, que estão mais próximos da zona de rebaixamento.

Enquanto o Paysandu luta para deixar a 17ª colocação na classificação, com 43 pontos, sendo o primeiro da zona de morte, o Atlético ainda aspira chegar ao G4, mas com remotas possibilidades de que isso venha a acontecer. Se estão livres do rebaixamento, os goianos, que ocupam a 6ª colocação, com 56 pontos, também já não possuem praticamente nenhuma chance de ascender à Série A. De acordo com a projeção do site Chance de Gol, o Dragão tem quase 0% de possibilidades de entrar no G4 na reta final da disputa.

VANTAGEM

O fato do adversário vir a Belém para cumprir tabela poderá beneficiar os donos da casa, que teriam um adversário bem mais motivado e, portanto, bem mais difícil de ser batido, caso ele ainda alimentasse alguma esperança de ir à elite de 2019.

Histórico PSC x Atlético-GO

01/03/1971 – Atlético-GO 5 x 2 Paysandu – Torneio Pará-Goiás

07/06/2013 – Atlético-GO 1 x 0 Paysandu – Série B

17/10/2013 – Paysandu 0 x 0 Atlético-GO – Série B

30/06/2015 – Paysandu 2 x 0 Atlético-GO – Série B

03/10/2015 – Atlético-GO 2 x 1 Paysandu – Série B

21/07/2016 – Paysandu 0 x 0 Atlético-GO – Série B

22/10/2016 – Atlético-GO 2 x 1 Paysandu – Série B

BALANÇO FINAL

Jogos: 8

Paysandu: 2 Vitórias

Atlético: 4 Vitórias

Empates: 2

NOVO EMBATE

As duas equipes voltam a se enfrentar neste sábado, às 16h (de Belém), pela 38ª rodada da Série B.

Atacantes precisam fazer gols!

Mais do que nos 37 jogos anteriores do time, o Paysandu vai precisar, no sábado (20), contar com a funcionalidade de seu ataque, já que precisa vencer o Atlético-GO para manter viva a chance de garantir sua permanência na Série B do Brasileiro. Nas últimas partidas da equipe, foram os zagueiros que fizeram as vezes de atacantes, livrando o clube de já ter sido despachado à Série C. Ontem, o atacante Hugo Almeida, que não balança a rede há seis jogos, falou sobre a expectativa dele para o confronto do final de semana.

De acordo com o atacante, o Papão, que depende de outros resultados para não cair, precisa, primeiro, focar em sua partida e, depois, pensar nos demais jogos que lhe interessam. “Independentemente do que acontecer, nos outros jogos, temos de fazer a nossa parte aqui. Vamos ver o que Deus tem reservado pra nós”, disse. O fato de o Papão vir de três vitórias consecutivas diante do Oeste-SP, em casa, e Guarani-SP e Figueirense-SC, fora, deixa o time bicolor motivado.

“Foram três jogos surpreendentes em todos os aspectos”, disse. “Nossa equipe se comportou bem. Por isso acredito muito que não vamos cair”, afirmou. O jogador não cansou de pedir a ajuda dos céus para que o Papão não perca a vaga na Série B. “Espero que Deus tenha algo bom pra gente e que nosso time consiga se livrar. Vai ser um jogo difícil, mas espero que a gente consiga ganhar com certa tranquilidade”, declarou o atacante, que soma quatro gols em 17 partidas, todas pela Série B.

Magno é um dos atacantes do Papão e precisa se sobressair novamente, como nas três últimas partidas, quando fez três gols (Foto: Fernando Torres/PSC)

Almeida, cujo último gol foi marcado no empate com o CRB-AL (1 a 1), admite que o jejum que vive já o incomoda. “Com certeza. A gente que é atacante quer fazer gol. Se puder em todos os jogos melhor ainda”, salientou. “Espero que no sábado eu possa voltar a marcar. Pra mim é muito bom que faça gol, mas a permanência do time é bem mais importante”, observou o jogador, que informou não ter conversado, ainda, sobre a saída ou permanência no Papão após o Brasileiro.

Lateral esquerda em ‘stand-by’

Embora não tenha se manifestado ainda sobre o assunto, preferindo, óbvio, esperar pelo desfecho da situação, o técnico João Brigatti já deve estar trabalhando com a ideia de não poder contar com o lateral-esquerdo Guilherme Santos no jogo de sábado (20), contra o Atlético-GO. O jogador, que atingiu com um soco o meia-atacante adversário Dodô, após a partida contra o Fortaleza-CE, pela 32ª rodada da Série B do Brasileiro, será julgado amanhã, pela 4ª Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

O atleta, de acordo com o que determina o Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) em seu artigo 254-A, prevê um gancho de quatro a 12 partidas para o infrator. Sem grandes opções para recompor o setor, Brigatti, tudo indica, deverá remanejar Fernando Timbó (foto), autor do gol da vitória, na virada por 3 a 2 sobre o Figueirense-SC, do miolo de zaga para a lateral. A mudança não chega a ser algo surpreendente, visto que Timbó já atuou no lado esquerdo do campo, embora tenha deixado a desejar na posição.

SEM PEREMA

Como o zagueiro Perema cumprirá suspensão de uma partida por conta do terceiro cartão amarelo, o comandante do Papão, caso venha mesmo a optar por Timbó como lateral, terá de lançar mão de Edimar, Guilherme Teixeira ou Fábio Alemão como companheiro de Diego Ivo na zaga bicolor. As mudanças, porém, poderão até não ocorrer, caso o Departamento Jurídico do Papão consiga lograr sucesso no pedido de efeito suspensivo que pretende fazer ao STJD diante de uma eventual punição a Guilherme Santos.

(Nildo Lima/Diário do Pará)