Desde 2000, número de professores de creches que fizeram faculdade passa de 11% para 66% do total

0
218
Alunos de creche municipal em Indianópolis (SP) brincam no gira-gira. — Foto: Marcelo Brandt/G1

Em 17 anos, a formação dos professores que trabalham nas creches brasileiras mudou radicalmente. O mais comum, em 2000, era encontrar docentes que tinham estudado até o ensino médio, sem fazer uma graduação – caso de 66,4% deles. Cerca de 9% não tinham nem terminado o ensino fundamental.

Em 2017, ano do último Censo Escolar, a situação se inverteu: 66,3% dos professores têm diploma de ensino superior. Um terço do total fez, inclusive, algum tipo de especialização.

Segundo estudiosos consultados, os dados do Censo, divulgados anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), comprovam uma mudança na forma como a creche é vista: não é um local onde bebês e crianças de 0 a 3 anos recebem apenas cuidados básicos. É mais do que isso: está no sistema educacional e tem funções pedagógicas importantes.
Creches deixaram de ser vistas como locais com foco somente nos cuidados básicos. Na foto, bebês da CEI Indianópolis tomam café da manhã. — Foto: Marcelo Brandt/G1

Consequentemente, passa a exigir profissionais capacitados. “A creche promove a possibilidade de um desenvolvimento saudável. Precisa de um programa pedagógico e de boa formação de professores”, diz Beatriz Abuchaim, da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal. “Ali, a criança vai conhecer o mundo, aprender a se relacionar com pessoas da mesma idade que ela e desenvolver questões cognitivas, como a expressão verbal”, diz.

Cristina Nogueira, coordenadora do curso de pedagogia no Instituto Singularidades (SP), também reforça a mudança de perspectiva em relação à creche. “Ela nasceu como uma instituição de assistencialismo, para ajudar os pais. Depois, com estudos na sociologia, na pedagogia e na psicologia do desenvolvimento, a creche passou a ir além dos cuidados – e a aprendizagem e o bem-estar começaram a ser valorizados nessa fase”, explica.

Apesar dos avanços, há desafios: existem faculdades de pedagogia de curta duração e sem experiências práticas. Os profissionais formados ainda se deparam com salários baixos, salas de aula superlotadas e falta de infraestrutura em determinadas instituições de ensino.

A seguir, especialistas analisam os avanços e os obstáculos para os professores que atuam nessa etapa de ensino.

Até que período esses professores estudaram?

Analisando o Censo Escolar de 2017, é possível afirmar que o Brasil tinha, no ano passado, 273.639 professores atuando em creches, com as seguintes formações:

  • 0,57% deles estudaram até o ensino fundamental
  • 33% cursaram até o ensino médio
  • 66,3% fizeram uma graduação

Na parcela de 181.668 professores com diploma no ensino superior, 75.522 deles continuaram estudando depois de terminar a faculdade. A maioria fez algum curso de especialização (74.478 docentes, o equivalente a 27% do total de professores brasileiros).

Além disso, há aqueles que ingressaram em pós-graduações stricto sensu – 932 cursam ou já concluíram o mestrado (0,3% do total) e 112, o doutorado.

Em 2000, o Censo mostra que a quantidade de professores formados era muito inferior. De um total de 50.224 docentes de creches:

  • 8,96% tinham o ensino fundamental incompleto, ou seja, abandonaram a escola antes do 9º ano (antiga 8ª série);
  • 13,18% terminaram apenas o ensino fundamental;
  • 66,4%, ou seja, a maioria, estudaram até o ensino médio, sem graduação;
  • 11,43% conseguiram terminar o ensino superior.
    Gráfico indica o grau de formação dos professores de creche. — Foto: Infográfico: Juliane Monteiro/G1

    “Nos anos 2000, houve um movimento de países desenvolvidos pressionarem os demais para promoverem a formação profissional de quem atua na primeira infância. Antes, os chamados pajens (atendentes) tinham essa visão da parte física e biológica”, explica Maria Angela Barbato Carneiro, professora do curso de educação na PUC-SP.

    “As crianças ficavam no berço, não havia diálogo na hora do banho. Estudos foram reforçando a necessidade de um profissional que estimulasse o desenvolvimento social, linguístico e afetivo. Por isso, foi crescendo a porcentagem de docentes formados”, completa Maria Angela.

    No Centro de Educação Infantil Indianópolis, creche da rede pública na zona sul de São Paulo, mais de 90% dos professores fizeram uma pós-graduação. Uma delas é Adriana Sanches, de 47 anos, que atua há 28 anos em escolas públicas e privadas. Ela se especializou em áreas como educação inclusiva, cidadania e psicopedagogia.

    A professora Adriana Sanches fez especializações em educação especial e em psicopedagogia. — Foto: Marcelo Brandt/G1

    “É importante sempre estudar porque a mão de obra precisa se adequar às mudanças da sociedade. Antes, as crianças com deficiência ficavam em casa. Hoje, elas estão nas creches e precisamos saber educá-las. Tenho um aluno cadeirante e, por isso, fui buscar uma especialização na área”, conta.

    Outra profissional dessa mesma creche, Lucy Almeida, faz mestrado em educação e saúde na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “A iniciativa para estudar costuma vir dos próprios professores, com apoio da gestão da escola, para conseguir conciliar os horários. A educação infantil exige uma melhor formação. É a fase mais importante da educação básica”, diz.

    Lucy Almeida faz mestrado e trabalha em uma creche municipal de São Paulo. — Foto: Marcelo Brandt/G1

    Trabalho em creche e faço doutorado’

    A pedagoga Beatran Abuchaim, de 42 anos, é uma das 112 professoras de creches no Brasil que fez ou está cursando o doutorado. Ela trabalha na Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Vó Olga, na cidade de Mato Leitão, a 135 km de Porto Alegre (RS). É o único estabelecimento de ensino com creche no município – que tem aproximadamente 4 mil habitantes.

    Beatran tem duas turmas na creche: uma com bebês de 1 a 2 anos e outra com crianças de 3 anos. Ela concilia o trabalho na instituição com o doutorado em educação na Universidade Federal do Rio Grande (Furg), onde estuda sobre a formação de professores.

    “Comecei a trabalhar em creches em 1997, quando não tinha nenhuma formação na área. A educação infantil nem tinha essa denominação ainda – era parte da política de assistência social e não era responsabilidade do Ministério da Educação”, relembra.

    “Eu era atendente e fui percebendo, aos poucos, que lidar com crianças exigia preparo. Eu não sabia o que fazer, o que pensar sobre elas. Conseguia só focar no básico, como trocar fraldas e dar as refeições. Não sabia nada sobre o desenvolvimento de cada faixa etária.”

    Ela, então, decidiu cursar pedagogia. Em 2014, ingressou no mestrado na Furg – quando estudou sobre infância e educação infantil – e já emendou com o doutorado, que será concluído em 2020. “É difícil conciliar o estudo e o trabalho. Passo minhas férias, minhas noites e meus finais de semana estudando. Levo duas horas para chegar a Porto Alegre e assistir às aulas na universidade”, diz.

    Beatran conta que a formação profissional muda a atuação do professor na creche. Desde que passou a estudar, ela tem argumentos para explicar aos pais e à comunidade a importância de brincar com argila e terra, por exemplo. Também consegue perceber como é essencial escutar as crianças e contar histórias.

    “Sendo a única creche da cidade, nossa força para defender a infância é muito forte. A gente tenta pensar cada vez mais em formação continuada, para os professores não pararem de estudar”, conta Beatran. “Outro esforço é sempre trazer as famílias para perto da escola.”

    Ela conta que não parará de trabalhar na creche após concluir o doutorado. “Preciso da teoria, que aprendo estudando, sempre aliada à prática do dia a dia com as minhas turmas. Uma pedagogia só acadêmica, longe da escola, não leva tanto em conta os desafios e as perspectivas do professor”, diz. “E não quero parar de ver o sorriso das crianças, o encanto a cada descoberta.”

    O que a lei diz sobre a formação de professores da creche?

    Em 1996, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) passou a estimular que todos os professores tivessem formação em curso superior. Mas, até hoje, o documento permite que, na educação infantil (formada por creche e pré-escola), ainda haja profissionais que tenham estudado até a extinta modalidade “normal” – um tipo de ensino médio no qual o aluno cursava um ano extra para poder atuar em sala de aula.

    Mesmo com essa permissão, existe a tentativa de aumentar a porcentagem de professores graduados. Uma das metas do Plano Nacional de Educação (PNE) é garantir a todos os profissionais da educação básica, até 2024, a formação continuada.

    “Houve um esforço a nível municipal e nacional para que professores que já estivessem atuando na sala de aula, mas sem formação superior, conseguissem estudar”, diz Beatriz, da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal.

    A professora Maria Angela, da PUC-SP, explica que a situação varia conforme o estado. “Naqueles com poucas faculdades e escolas distantes, ainda existe essa realidade de profissionais sem formação”, explica. “Mas em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina, por exemplo, a rede pública só contrata um professor efetivo que tenha feito ensino superior.”

    O curso de pedagogia

    Maria Angela Barbato Carneiro explica que, apesar de as políticas públicas estimularem a formação do profissional da creche, existem ainda faculdades de pedagogia de baixa qualidade, curta duração e sem experiências práticas.

    E, mesmo entre as que são bem avaliadas, reformulações precisam ser feitas, segundo Beatriz, da Fundação Maria Cecília. “O currículo necessita ser discutido, porque é muito generalista. O estudante de pedagogia vai poder atuar na educação infantil, no ensino fundamental, como também se tornar gestor de escola ou professor de jovens e adultos”, diz. “Isso pulveriza a educação infantil – ela vira só um item entre todos esses. E, normalmente, é ensinada apenas em disciplinas teóricas. É fundamental que o aluno tenha atividades práticas desde o início do curso.”

    Ela acredita que a formulação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) – documento que estipula o que deve ser ensinado, no mínimo, em cada etapa de ensino – pode ajudar a guiar uma reformulação na graduação de pedagogia.

    Crianças brincam no tanque de areia da CEI Indianópolis. — Foto: Marcelo Brandt/G1

    Cristina complementa que ter parâmetros ajuda também na valorização da creche. “Mostra que não é qualquer etapa. Deve estar embasada em teorias da pedagogia e da psicologia”, diz.

    Além das modificações necessárias no curso de pedagogia, especialistas lembram também a importância de valorizar a função do profissional de educação, para que a carreira se torne mais atrativa.

    “O salário é muito baixo – no início, pagam-se cerca de R$ 1.500,00. Faltam condições para desenvolver um bom trabalho, como uma quantidade excessiva de crianças por docente e a necessidade de acumular empregos para conseguir se alimentar e se transportar”, diz a professora Maria Angela.

    Em que tipo de creche os professores trabalham?

    Segundo o Censo Escolar 2017, o Brasil tinha, no ano passado, 273.639 profissionais atuando em creches – sendo 64,6% em estabelecimentos públicos e 35,4%, em privados. É uma proporção que acompanha o número de creches no Brasil: 40.302 (59,3%) são públicas e 27.600 (40,7%), privadas.

    A maior parte dos profissionais que atuam em creches públicas são concursados e têm estabilidade – 75,8%. Depois, vêm os contratos temporários, mais comuns nos municípios (22,5%); os terceirizados (0,5%) e, por último, os empregos com CLT (1,9%).

    Professores trabalharam, na maioria dos casos, em estabelecimentos públicos. — Foto: Infográfico: Juliane Monteiro/G1

    Abaixo, o infográfico mostra o número de locais com creche no Brasil:

    Gráfico indica número de locais com creches urbanas e rurais no Brasil. — Foto: Infográfico: Juliane Monteiro/G1

    Mais crianças estão na creche

    A meta do PNE é que, até 2024, metade das crianças de 0 a 3 anos esteja matriculada na creche. Segundo a Pnad 2017, o índice atual é de 32,7%.

    Apesar de o objetivo ainda estar longe de ser atingido, é possível notar um aumento grande no número de alunos dessa etapa de ensino nos últimos anos. De acordo com o Censo Escolar 2017, 3.406.796 crianças estavam matriculadas em creches no ano passado. Em 2000, eram 916.864 alunos nessa etapa – ou seja, o total quase quadriplicou em 17 anos.

    Proporção de crianças de 0 a 3 anos na creche aumentou significativamente, mas ainda não alcançou a meta do PNE. — Foto: Infográfico: Juliane Monteiro/G1

    Beatriz Abuchaim, da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, destaca que não podemos só focar na quantidade de alunos matriculados. É importante também desenvolver políticas públicas e investir na qualidade do atendimento. “Em eleições municipais, por exemplo, é comum discutir o número de vagas criadas. Seria ótimo que a rede se ampliasse, mas desde que haja bons recursos, que garantam o desenvolvimento adequado das crianças”, explica a especialista.

    “Uma boa creche deve ter infraestrutura adequada e materiais como livros e brinquedos. Os alunos não vão só brincar ali. Precisam ser guiados por profissionais qualificados, que deem intencionalidade às brincadeiras”, completa Abuchaim.

    O ‘brincar’ e a fantasia são essenciais para o desenvolvimento das crianças. — Foto: Marcelo Brandt/G1

    E o que é ser uma boa creche?

    O brincar é essencial em uma boa creche. “Isso faz as crianças descobrirem novidades interessantes. Por exemplo: estão brincando no tanque de areia e encontram um tatu-bola. Encostam nele e percebem que ele fica redondo. Se você explicar oralmente, não vai trazer o mesmo impacto que elas descobrirem sozinhas, no meio de uma brincadeira”, explica Maria Angela. “Depois, o professor pode aproveitar e trabalhar o conceito.”

    Cristina reforça a importância de um projeto pedagógico com elementos culturais, como cantigas de roda, contação de história e instrumentos musicais. De acordo com ela, até os momentos de cuidados básicos devem ter estímulo cognitivo. “Na hora de o adulto dar banho, pode fazer jogos de linguagem, conversar e ouvir a criança. Isso é essencial para o desenvolvimento dela.”

    Crianças sobem em árvores e brincam em tanques de areia durante o dia nas creches. — Foto: Marcelo Brandt/G1

    Lucy Almeida, mestranda e professora da CEI Indianópolis, conta que tem como objetivo estimular a independência e a autonomia das crianças – desde que com regras. “Também acredito que seja essencial a parceria com as famílias dos alunos. A mãe de um deles é contadora de histórias e veio passar um dia aqui. Outro pai é marceneiro e ajudou a construir um carrinho de madeira para os alunos bebês. Um casal de professores de educação física fez um dia do desafio aqui na creche”, relata.

    Segundo relatório da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, uma boa creche deve:

    • ter uma equipe que desenvolva atividades adequadas para cada faixa etária, sempre com cuidado, estímulo e afeto;
    • estabelecer uma relação próxima com as famílias;
    • ter funcionários que fiquem atentos a todos os sinais que as crianças emitem;
    • contar com profissionais que vão além do curso superior e sigam a formação continuada, com atualizações constantes;
    • ter a proporção correta de professores de acordo com a quantidade de alunos – dos 0 aos 2 anos, de 6 a 8 crianças para cada docente; aos 3 anos, 15 para cada um;
    • estimular o brincar livre e o brincar com intencionalidade – sem a preocupação em antecipar a alfabetização;
    • ter infraestrutura com parquinho, espaços ao ar livre, brinquedos na altura das mãos das crianças, materiais criativos (arte, música, teatro), biblioteca.
    Uma boa creche deve ser formada por profissionais capacitados e infraestrutura adequada. — Foto: Infográfico: Juliane Monteiro/G1

    Desigualdade

    Um dado se manteve semelhante entre 2000 e 2017: a distribuição desigual das creches por regiões do país e por faixas de renda.

    Segundo informações da Pnad Contínua 2017, a porcentagem de crianças de 0 a 3 anos que frequentam a creche é menor na região Norte e maior no Sul e no Sudeste:

    Mapa mostra distribuição de creches por região brasileira. — Foto: Infográfico: Juliane Monteiro/G1

    Considerando a renda das famílias, um levantamento elaborado pelo Laboratório de Estudos e Pesquisas em Economia Social (Lepes), da Universidade de São Paulo (USP), aponta que a falta de vagas em creches é maior entre os mais pobres.

    Como a matrícula nesta etapa de ensino não é obrigatória, algumas famílias optam por não levar a criança à instituição de ensino até que ela faça 4 anos. Outras pesquisam creches, mas não conseguem vaga.

    Na faixa de renda familiar de até dois salários mínimos por mês, 34% das crianças de 0 a 3 anos estão fora da creche por dificuldade de encontrar um estabelecimento com disponibilidade. Já entre as famílias mais ricas, com mais de cinco salários mínimos por mês, essa parcela é de 9%.

    Gráfico mostra a disponibilidade de creches de acordo com a renda familiar mensal. — Foto: Infográfico: Juliane Monteiro/G1

    Beatriz, da Fundação Maria Cecília Vidigal, reforça que crianças em situação vulnerável podem ter menos estímulos cognitivos. “Nesses casos, se vão para uma creche de qualidade, elas têm ainda mais benefícios que uma criança de classe média, que provavelmente possui livros em casa e que cresce em uma família com nível de escolaridade mais alto”, diz.

    “Nos preocupa perceber que o acesso à creche é menor entre os mais pobres. Significa que não está chegando às famílias que mais precisam.”

    Alunas da CEI Indianópolis brincam entre os colchões da ‘hora da soneca’. — Foto: Marcelo Brandt/G1

    Cristina, do Singularidades, complementa: “Além do ponto de vista pedagógico, é um problema social para as mães trabalhadoras. Elas precisam de um local onde o filho se desenvolva com segurança e harmonia – mas não encontram vaga”, diz.

    Na estrutura das instituições, também há desigualdade. Um levantamento do Todos Pela Educação, a partir de microdados do Censo Escolar 2015, mostra que o parque infantil só está presente em 40,7% das creches da rede pública. A sala de leitura, outro elemento considerado importante pelos especialistas, só compõe o espaço de 14,2% delas. Veja outros itens:

    Nas creches públicas, 40,7% possuem parquinho e 14,2%, sala de leitura. — Foto: Infográfico: Juliane Monteiro/G1

    Em 2019, pela primeira vez, o Inep fará uma avaliação nacional em creches e pré-escolas. Professores e diretores terão de responder a questionários sobre formação docente e infraestrutura dos estabelecimentos, por exemplo. As crianças não serão avaliadas.

    Adriana, professora em São Paulo, compartilha uma frustração. “Quando ouvimos alguém falando de educação e excluindo a creche, não gostamos disso. A formação de educadores nesta etapa não pode ser esquecida – ajuda a intervir melhor, a saber estimular o brincar livre e o brincar com intenção. Nosso objetivo é que as crianças vençam o ‘já sei’” e sempre avancem”, diz.

    Fonte: G1